Webmail

Bancários reafirmam luta por igualdade racial no Dia da Consciência Negra
21/11/2011

Às vésperas de mais um 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, a Contraf-CUT, federações e sindicatos dos bancários reafirmam seu compromisso com a promoção da igualdade racial no sistema financeiro e o combate às discriminações. A luta se mostra essencial em face de pesquisas recentes que deixam transparentes as barreiras enfrentadas por negros e negras na contratação, na remuneração e na ascensão profissional nos bancos.

Segundo estudo da subseção do Dieese na Contraf-CUT, com base em dados do Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), apenas 19,75% dos admitidos pelos bancos entre janeiro e setembro deste ano são afrodescendentes, sendo 2,74% negros e 17,01% pardos. Por outro lado, 73,49% se declaram brancos.

Os números relativos ao salário de ingresso médio dos contratados no período também são graves. Os negros entraram nos bancos recebendo um salário médio de R$ 1.685,83, pouco mais baixo que o dos pardos, de R$ 1.752,65. Enquanto isso, os brancos começam sua carreira ganhando R$ 2.743,91, um valor 62% maior. Os amarelos tiveram um salário ainda maior, de R$ 3.155,32.

"São números que deixam evidente a discriminação que sofrem os negros dentro do sistema financeiro", afirma Deise Recoaro, secretária de Políticas Sociais da Contraf-CUT. "São múltiplas barreiras: poucos conseguem entrar, e os que conseguem, ganham menos. Precisamos de políticas afirmativas para mudar essa situação", defende.

Os números de contratados por ocupação também mostram a discriminação. Enquanto no nível de direção foram contratados apenas 0,6% de negros, nos níveis hierárquicos mais baixos essa presença aumenta: são 2,9% entre os escriturários e 5,1% entre os agentes, assistentes e auxiliares administrativos.

Realidade antiga

Os números do Caged mostram inalterada a realidade percebida pelo Mapa da Diversidade, pesquisa realizada pela Febaran, em 2009, após anos e anos de reivindicações do movimento sindical e que escancarou as discriminações no sistema financeiro.

Os dados mostravam que, embora os homens negros representem 17% da PEA no setor bancário, eles são apenas 11% dos empregados. A diferença se intensifica no caso das mulheres negras, que são apenas 8% entre os bancários, enquanto na PEA representam 18%. O total de negros empregados no sistema financeiro brasileiro é de 19%, enquanto os negros totalizam 35,7% da PEA.

Em termos de remuneração, a desigualdade também é flagrante. O salário de funcionários pretos corresponde a apenas 64,2% do salário dos brancos, mesmo sendo a escolaridade dos negros, equivalente à dos brancos, de acordo com dados do Mapa da Diversidade.

"A luta contra as discriminações de raça, gênero, orientação sexual e contra pessoas com deficiência estão entre as bandeiras permanentes do movimento sindical bancário. É uma questão que afeta não apenas os negros e as negras, mas a todas as pessoas que defendem um modo de vida mais ético e justo. Essa luta precisa ser de todos", salienta Deise.

Desigualdade não é exceção

A discriminação não é exclusividade do sistema financeiro. De acordo com o Mapa da População Preta & Parda no Brasil, segundo os Indicadores do Censo de 2010, divulgado no último dia 14, pretos e pardos já são maioria em 56,8% dos municípios. Apesar disso, uma pesquisa realizada pelo Dieese aponta que pessoas negras recebem quase 40% menos por hora de trabalho do que demais camadas da população.

O principal motivo dessa desigualdade, segundo o estudo, é que a inserção dos negros no mercado de trabalho ocorre principalmente nas ocupações menos especializadas e pior remuneradas. Em 2010, 10,8% da população negra economicamente ativa trabalhavam como empregados domésticos. Entre a população que se declara branca e amarela, essa proporção é 5,7%.

Homenagem a Zumbi dos Palmares

A celebração do Dia da Consciência Negra, em dia 20 de novembro, é uma homenagem à memória de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, morto neste mesmo dia no ano de 1695, defendendo seu povo contra os abusos cometidos pela elite branca. 

A homenagem ao líder negro foi estabelecida pelo Projeto de Lei 10.639, em 9 de janeiro de 2003, como forma de não deixar cair no esquecimento a luta por igualdade, infelizmente uma realidade ainda muito distante.


Fonte: Contraf-CUT, com Fetec-SP