Webmail

13ª Conferência Estadual: Economista analisou inflação até data-base dos bancários
21/06/2011

A 13ª Conferência Estadual dos Trabalhadores em Instituições Financeiras-RS, que começou neste sábado (18), apresentou aos participantes uma boa perspectiva para a Campanha Salarial da categoria. O plenário do evento recebeu o supervisor técnico do Dieese do Rio Grande do Sul, Ricardo Franzoi.

O economista apresentou o painel “Conjuntura Econômica Nacional e as Perspectivas de Índice Inflacionário para Data-Base Bancária”. Franzoi apresentou dados que comprovam o crescimento econômico do Brasil nos últimos anos e, além disso, a previsão de que esta ascendência continuará durante a próxima década. “Existe a perspectiva de que o Brasil será o principal fornecedor de alimentos para o mundo nos próximos 40 anos. Desde 2004, vivemos um processo de crescimento contínuo, pausado apenas no fim de 2008, durante a crise mundial. Além disso, as crises externas já não afetam tanto a economia brasileira, como acontecia anteriormente.”, explicou o economista.

O painelista ressaltou a importância do movimento sindical para auxiliar em um dos principais problemas da nação: a má distribuição da renda. “Os sindicatos precisam exercer o poder de negociação para obter aumentos salariais substanciais, de acordo com a conjuntura atual. Este é o momento para as melhorias. Não será em um período de recessão que os salários aumentarão”, esclareceu.

O técnico do Dieese indicou os fatores que mostram o aquecimento da economia interna do país. “O crescimento do consumo atesta que o poder aquisitivo do brasileiro está movimentando a economia nacional, ainda mais com a geração de empregos alcançada nos últimos anos. Em 2011, o Rio Grande do Sul criou 163 mil postos de trabalho. A perspectiva para 2011 é de 133 mil novos empregos”.

Segundo o economista, a conjuntura expõe um momento favorável para a negociação. Os aumentos obtidos deverão ser acima da inflação, que em setembro, data-base da categoria bancária, estima-se que estará em 7,56%. Em setembro será o pico de inflação, considerando que na data-base de junho esta porcentagem era de 6,44% e nos demais meses deverá cair”, ressaltou Franzoi.

Além dos índices inflacionários, o economista observou que a extensão, distribuição e intensidade do trabalho serão fatores importantes a serem negociados.

Franzoi citou o exemplo do Banrisul para ilustrar as possibilidades de ganho dos bancários na mesa de negociação. “O banco do Estado registrou um grande crescimento do lucro, queda na inadimplência e outros fatores que comprovam que o rendimento pode ser distribuído de melhor forma entre o funcionalismo. Os números mostram que, em média, 37% do lucro ficam retidos no banco e vão para acionistas, enquanto 31% são destinados ao pagamento de toda a folha salarial da instituição. Este é o problema: para aumentar de um lado, é preciso diminuir o outro, o que contraria os banqueiros”, finalizou o economista.

 

Fonte: Imprensa Fetrafi-RS – 18/06/2011