Webmail

Bancários do RS exigem saída de Rubens Bordini, vice-presidente do Banrisul
07/08/2009

O Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região (SindBancários) e a Federação dos Bancários do Rio Grande do Sul exigem a renúncia imediata do vice-presidente do Banrisul, o economista Rubens Bordini e tesoureiro do PSDB durante a campanha eleitoral de 2006. Ele é um dos citados na ação de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Federal (MPF), juntamente com a governadora tucana Yeda Crusius.

Além de Yeda e Bordini, outras sete pessoas foram enquadradas na ação civil de improbidade administrativa, que o MPF ajuizou na 3ª Vara Federal de Santa Maria. São o ex-marido de Yeda, Carlos Crusius, o deputado federal José Otávio Germano (PP), os deputados estaduais Luiz Fernando Záchia (PMDB) e Frederico Antunes (PP), o ex-secretário Delson Martini, a assessora Walna Vilarins Meneses e o presidente do Tribunal de Contas do Estado, João Luiz Vargas.

Diante dos fatos, as entidades entendem que a saída de Bordini é a melhor decisão a ser tomada neste momento, para evitar que o nome e a história de 81 anos do Banrisul sejam manchados. Também defendemos a saída da governadora Yeda e de todos os envolvidos.

Confira a nota da Feeb e do SindBancários

Bordini, pede pra sair!

A Federação dos Bancários do RS e o SindBancários vêm a público manifestar sua indignação com os fatos envolvendo a governadora Yeda Crusius e mais oito aliados apresentados pelo Ministério Público Federal (MPF). 

O economista Rubens Bordini, tesoureiro da campanha de Yeda em 2006, que ocupa a vice-presidência do Banrisul, é um dos citados. Por isso exigimos sua imediata saída do cargo até que tudo seja apurado.

Esta é a atitude mais correta e de respeito ao Banrisul, que tem 81 anos de história de confiança e bons serviços prestados ao povo gaúcho. Seus dirigentes não podem, de maneira nenhuma, estar envolvidos em atos suspeitos. 

Até o momento não havíamos nos manifestado, aguardando o retorno das investigações.

Por isso entendemos que a sua renúncia é a decisão mais acertada para que o nome do Banrisul não seja envolvido na ação de improbidade administrativa proposta pelo MPF.

Defendemos no Banrisul o respeito aos princípios da administração pública, trabalhando no fomento à economia e o desenvolvimento do nosso Estado.

Porto Alegre, 6 de agosto de 2009.


Fonte: Milton Simas - Seeb Porto Alegre - 06/08/2009