Webmail

Carreira Profissional da CEF: greve entra no 27º dia. Nesta quarta tem nova audiência no TST
26/05/2009

Os empregados da carreira profissional da Caixa Econômica Federal decidiram nas assembleias que estão sendo realizadas em todo o país desde a última sexta-feira, 22 de maio, continuar com a greve que já dura 27 dias. Os trabalhadores (arquitetos, advogados, engenheiros e demais profissionais) reivindicam melhorias em seu Plano de Cargos e Salários (PCS). Nesta quarta-feira 27 haverá nova audiência de conciliação no Tribunal Superior do Trabalho (TST, em Brasília. )


Acesse aqui o ofício da Caixa com a proposta completa


Acesse aqui a tabela proposta pela Caixa para o PCS da carreira profissional


Pontos negativos


Há dois pontos negativos na proposta de migração. Só poderão ser enquadrados na nova tabela os empregados que saldaram o REG/Replan. Quem não saldou não terá nem a opção de fazê-lo, já que a Caixa não vai reabrir o processo de saldamento do plano de benefícios.


A Caixa também insiste em vincular a migração à desistência de ações judiciais propostas pelos empregados, com renúncia expressa dos direitos sobre os quais se fundamentam a ação e os direitos colidentes. O problema se agrava porque a proposta da Caixa tem uma redação dúbia. Ela detalha alguns objetos das ações que devem ser desistidas e termina a lista com a expressão "dentre outras". Isso deixa margem para muitas dúvidas.


Dissídio 

Antes marcada para a sexta-feira passada, a continuação da audiência de conciliação no Tribunal Superior do Trabalho (TST) foi prorrogada para quarta-feira desta semana, 27 de maio.

Mobilização continua


A greve, que já dura 26 dias, segue forte, atingindo todo o país. Os profissionais estão paralisados nas bases de:


Alagoas, Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Blumenau (SC), Brasília (DF), Campinas (SP), Campo Grande (MS), Caxias do Sul (RS), Chapecó (SC), Criciúma (SC), Curitiba (PR), Divinópolis (MG), Espírito Santo, Florianópolis (SC), Fortaleza (CE), Feira de Santana (BA), Goiás, Joinville (SC), Juiz de Fora (MG), Londrina (PR), Mato Grosso, Natal (RN), Niterói (RJ), Paraíba (PB), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Ribeirão Preto (SP), Rio de Janeiro (RJ), Rondônia (RO), Roraima (RR), Salvador (BA), São José do Rio Preto (SP), São José dos Campos (SP), São Luís (MA), São Paulo (SP), Sorocaba (SP), Sergipe, Sul Fluminense (RJ), Teresina (PI), Tocantins, Uberaba (MG) e Zona da Mata e Sul de Minas (MG).


Fonte: Contraf-CUT, com Fenae