Webmail

Delegados sindicais participam de palestra sobre a história dos trabalhadores no Brasil
22/04/2009

A história dos trabalhadores no Brasil desde o início do século XX foi o tema da palestra do sociólogo e coordenador do Núcleo Piratininga de Comunicação, Vito Gianotti, realizada na manhã desta sexta-feira, em Porto Alegre. A atividade, que envolve delegados sindicais de todo o estado, integra o cronograma do projeto Diálogos para a Ação, uma parceria da Federação dos Bancários RS e SindBancários.

 

No início de suas explanações, Gianotti destacou a importância dos trabalhadores conhecerem a história do ponto de vista do trabalho. “A história dos trabalhadores no Brasil começa em 1900, quando existiam menos de 100 mil operários no país. O Brasil vivia importando tudo e o dinheiro para a importação vinha do café, que era responsável por 70% da receita interna. Havia poucas indústrias, algumas alimentícias, de calçados e tecelagens.”

De acordo com o sociólogo, os primeiros trabalhadores eram todos imigrantes europeus, 95% brancos, e em função da filosofia da época, o liberalismo, não havia nenhuma lei em defesa dos direitos dos trabalhadores. “O estado não podia fazer leis que regulamentassem o trabalho para não engessar o capital. Trabalhavam o máximo possível, sem descanso aos domingos ou férias. Nas fábricas não havia proteção alguma e os trabalhadores morriam de acidentes do trabalho”.

Gianotti destaca que as primeiras lutas por direitos trabalhistas ocorreram por volta de 1900, através de greves como a dos ferroviários, que foram duramente reprimidas e vários trabalhadores foram mortos. As principais reivindicações dos trabalhadores na época eram: redução da jornada para 8h de trabalho; descanso aos domingos; aumento de salário e melhores condições de trabalho dentro das fábricas.

 

Para Gianotti a história dos trabalhadores no Brasil, embora haja registros em centenas de livros, ainda é desconhecida pela maior parte da população. Ele diz que para entender as atuais relações de trabalho é preciso remontar às grandes lutas da classe trabalhadora, que culminaram com a organização dos sindicatos e centrais sindicais. O sociólogo lembrou ainda, que grande parte dos fatos importantes, que mudaram a vida dos trabalhadores brasileiros estão à margem da história convencional.

 

*Imprensa/Feeb-RS - 17/04/2009