Webmail

Bancários do Santander e Real cobram medidas contra demissões
08/01/2009

As entidades sindicais iniciaram 2009 retomando as negociações com o Santander e Real sobre o processo de fusão, em defesa dos empregos e direitos, buscando a abertura de vagas na rede de agências para evitar demissões e garantir acesso à aposentadoria.

Em reunião ocorrida na terça-feira, dia 6, em São Paulo, os dirigentes sindicais apresentaram diversas propostas para os representantes dos dois bancos, que ficaram de trazer uma resposta na próxima rodada, agendada para o dia 22, às 15h, na capital paulista. Participaram da negociação os funcionários do Santander e diretores do SindBancários, Ademir Wiederkehr e Paulo Stekel, e a empregada do Real e diretora do SindBancários, Natalina Rosane Gue.

“Esperamos que o banco apresente propostas concretas para as demandas dos trabalhadores no dia 22, pois a fusão está em andamento e não aceitamos demissões, como ocorreram em outros processos de incorporações e privatizações”, afirma Stekel, que também é diretor da Contraf-CUT.

“O Santander vai ganhar milhões e milhões de dólares em sinergia com a fusão, na medida em que vai reduzir custos ao unificar centros administrativos e outros procedimentos”, destaca Ademir, que também é diretor da Afubesp.

“Parte dessa sinergia precisa ser destinada para amenizar o impacto nos empregos, como contrapartida social, e evitar um processo traumático. Os trabalhadores não podem mais uma vez pagar a conta”, salienta. “Queremos também a extensão do aditivo do Santander para o Real, como forma de unificar os direitos, assegurando as condições mais vantajosas para os empregados”, defende Natalina, que representou a Federação dos Bancários do RS. “Precisamos buscar medidas de preservação dos empregos e direitos para os trabalhadores dos dois bancos”, frisa.

Veja os principais temas discutidos:

Aditivo à convenção coletiva

Em relação à reivindicação das entidades sindicais de extensão do aditivo do Santander para o Real, o banco concorda em firmar um aditivo, estendendo as cláusulas existentes no aditivo do Santander e respeitando a cultura e a prática do Real.

Plano de previdência

O banco informou que há um estudo em andamento destinado aos funcionários que não possuem plano de previdência complementar, os “sem-prev”. Nada será alterado neste momento em relação aos planos existentes no Grupo Santander Brasil. O banco assegurou que qualquer mudança será debatida previamente em mesa de negociação com as entidades sindicais.

Plano de saúde

O banco afirmou que não tem estimativa de mudanças. Os planos de saúde hoje existentes, como Cabesp, Unimed e Bradesco Saúde, são separados. O banco afirma que preza pela qualidade de serviços, que será preservada. O banco assegurou igualmente que qualquer mudança será debatida antes em mesa de negociação com as entidades sindicais.

Licença remunerada pré-aposentadoria

Diante da reivindicação das entidades sindicais de criação de licença remunerada pré-aposentadoria, visando a abertura de vagas para evitar demissões e garantir acesso à aposentadoria, o banco informou que as conversas internas têm evoluído, faltando análises jurídicas para a definição de uma cláusula, a ser incluída nos dois aditivos. O banco apresentará uma proposta no próximo dia 22 de janeiro, com premissas e desenhos.

Incentivo à aposentadoria

Em resposta à reivindicação dos trabalhadores de um plano de incentivo à aposentadoria para quem está aposentado ou já reúne condições de se aposentar, o banco afirmou que estuda a concessão de uma forma de indenização. As entidades sindicais reivindicaram também a extensão do plano de saúde, que muitos funcionários não levam para a aposentadoria, e a continuidade do pagamento do vale-alimentação. O banco dará resposta na reunião do dia 22.

Programa Venha Trabalhar na Rede

O banco expôs o andamento do programa de realocação, reivindicado pelas entidades sindicais que objetiva a captura de vagas existentes na rede e a sua disponibilização para os funcionários das áreas administrativas, visando evitar demissões. O banco informou que na primeira fase do programa ocorreram 521 inscrições, sendo 142 do Santander e 379 do Real. Desse total, 46 já foram realocados e os demais estão sendo analisados. Haverá a abertura de uma nova fase de inscrições em fevereiro. As entidades sindicais reivindicaram a concessão de auxílio-deslocamento em caso de transferência para preencher vagas em outros municípios e estados.

Cipeiros

As entidades sindicais reivindicaram a manutenção da estabilidade no emprego dos cipeiros pelo período que falta para completar um ano de mandato e mais um ano após, nos casos de fechamento de unidades e transferências por interesse do banco. O banco dará resposta na reunião do dia 22.

Call-center

O banco afirmou que não existe alteração prevista neste momento envolvendo os processos e os sistemas de call-center. O banco assegurou novamente que qualquer mudança será debatida com antecedência em mesa de negociação com as entidades sindicais.

Fonte: SeebPorto Alegre - 07/01/2009