Webmail

Reunião de bancários e Secretaria define medidas para melhorar segurança em bancos
09/07/2007

Bancários e Secretaria Estadual da Segurança Pública, na manhã desta segunda-feira, dia 9, apontaram as primeiras medidas para enfrentar a onda de assaltos O secretário-adjunto da Segurança Pública, Ademar Stocker, anunciou, depois de se reunir com a direção do Sindicato dos Bancários de Porto Alegre, na sede da Secretaria, que colocará mil policiais militares nas ruas em dias de maior movimento (começo e final do mês), entre 10h e 16h, horário de funcionamento das agências e postos bancários. Também ficou acertada reunião nesta quarta-feira, às 15h, com o superintendente da Polícia Federal no RS, Ildo Gasparetto. A agenda foi considerada com um dos principais itens da audiência com Stocker, que também retomou oficialmente o Grupo de Trabalho de Segurança Bancária, que estava desativado desde a troca de comando na Secretaria. O presidente do SindBancários, Juberlei Baes Bacelo, afirmou que com a Polícia Federal será possível buscar formas de pressionar os bancos a implementarem ações de segurança, como instalação de portas com detectores de metais antes das salas de auto-atendimento e blindagem de vidros. O Sindicato apóia também a restrição no horário de transporte de valores. Participaram da reunião o secretário-geral do Sindicato, Fabio Alves, e o diretor de Comunicação Ademir Wiederkehr, além do diretor do Departamento de Relações Comunitárias da Secretaria da Segurança, Floriovaldo Nunes. A entidade é favorável à restrição no horário de operação de carros-forte, mas denuncia que os bancos estão descumprindo lei da Capital que obriga colocação de portas com detector de metais em todos os acessos às agências e blindagem de vidros. “São mecanismos eficientes para barrar a ação dos criminosos. Queremos que a Secretaria faça pressão para que as instituições cumpram a lei”, antecipa Bacelo. O grupo reúne, além dos bancários, bancos, vigilantes, Polícia Civil, Brigada Militar e Polícia Federal. Os bancos já foram notificados na Capital a seguir a lei, que tem sido seguida em escassos casos e em apenas agências novas. Sem cumprir a legislação, a prefeitura não libera o habite-se (licença para funcionar). Na pauta, estarão ainda uso de câmeras de vídeo e de coletes à prova de bala pelos vigilantes. Reforço na segurança externa será cobrado em dias de maior movimento (véspera e retorno de feriados e dias de pagamento de salários). *Assessoria de Imprensa/SindBancários