Webmail

A mobilização no Banco do Brasil no dia 25
26/06/2008

Após a reunião de negociação do dia 6 de junho, a Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil, dada a negativa da diretoria do banco em atender minimamente as reivindicações dos trabalhadores, orientou os sindicatos de todo o país a realizarem paralisações de 24 horas no dia de ontem, 25.

Devido à disparidade no grau de mobilização existente atualmente no BB, entre as cidades, Estados e mesmo entre agências e locais de trabalho, a paralisação de um dia inteiro não se concretizou.  Em sua maioria, os sindicatos aproveitaram o dia para realizarem reuniões com os funcionários, distribuírem panfletos e conclamarem os trabalhadores a recuperarem sua capacidade de união e de mobilização. 

As atividades integram a campanha ‘Acorda BB’, desenvolvida pela Contraf-CUT, federações e sindicatos filiados para denunciar as péssimas condições de trabalho no Banco do Brasil. As principais reivindicações da Campanha são: melhores condições de trabalho; pagamento das substituições; pagamento de horas extras; contratação de mais funcionários; fim das metas abusivas e do assédio; reabertura da discussão sobre PCCS e pagamento de vale-transporte. Além disso, o movimento sindical exige mais respeito aos funcionários, clientes e usuários do maior banco público do país.

 “Os bancários do BB estão de parabéns pela luta desses últimos meses, em especial pelas movimentações deste dia 25”, avalia William Mendes, secretário de Imprensa da Contraf/CUT e funcionário do banco. “A campanha Acorda BB, além de conseguir avanços como mais funcionários, ajudou a fortalecer os trabalhadores para que possamos brigar na campanha salarial que vai começar em breve por melhores salários, condições de trabalho e questões específicas do BB, principalmente as ligadas à reestruturação”, afirma.

Para Marcel Barros, coordenador da Comissão de Empresa do BB da Contraf/CUT, a campanha foi um sucesso ao mobilizar os trabalhadores e trazer para o debate os temas mais importantes para os funcionários. “É um recado para que a diretoria do BB acorde e passe a olhar para dentro do banco, e não só para a concorrência”, sustenta.

Manifestações

Em São Paulo, Os funcionários participaram da atividade nacional orientada pela Contraf-CUT e realizaram mais um ato no Complexo São João, marcado por forte presença policial. Em Brasília, os bancários do BB paralisaram por duas horas diversas agências, unidades e edifícios no Distrito Federal, incluindo manifestação no Setor Bancário Sul e na Tecnologia (edifício sede IV).

O Sindicato do Rio realizou atividade nas quatro maiores agências do centro da capital. Em Vitória, os bancários se uniram aos vigilantes, que realizaram paralisação, num ato na Praça Pio XII, no centro da cidade.

Em Teresina, os empregados do Banco do Brasil das agências Piçarra, zona Sul de Teresina, e na cidade de Timon (MA), decidiram parar as atividades por 24 horas. Nas demais unidades de Teresina e na cidade de Piripiri, a paralisação foi de duas horas, de 10h às 12h.

Na base do Sindicato dos Bancários do Pará e Amapá, os bancários aprovaram por unanimidade a paralisação das atividades por 24 horas nesta quarta-feira.

Os bancários realizaram panfletagem nas agências e um ato em frente à agência do BB da avenida Presidente Vargas.

Os funcionários de Alagoas aprovaram a paralisação em assembléia realizada ontem, com a presença de cerca de 100 bancários. O mesmo ocorreu em Fortaleza, com paralisações nas agências dos principais corredores bancários da cidade.

Os bancários de Curitiba realizaram paralisação na parte da manhã, e em Juiz de Fora, aconteceu paralisação por duas horas das atividades do banco. Os bancários retardaram a abertura da agência Centro de Chapecó para meio-dia, com adesão unânime dos funcionários. Em Guarapuava a agencia do BB foi paralisada por uma hora.

A Contraf/CUT recebeu ainda informações sobre manifestações com panfletagem nas agências nas bases de Campos, Petrópolis e Concórdia.

Confira as atividades promovidas pelos sindicatos no interior do Estado.

Caxias do Sul - Os diretores do Sindicato dos Bancários de Caxias do Sul entregaram materiais informativos para os funcionários do Banco do Brasil.

Santa Maria - O Sindicato e os funcionários do Banco do Brasil se concentraram em frente à agência da avenida Rio Branco, no Centro da cidade, para exigir melhores condições de trabalho no banco. Os manifestantes driblaram o frio e a serração da manhã santa-mariense e às 8h já inseriam uma faixa de protesto em frente à agência. Um caminhão de som também ajudou a chamar a atenção da população para os problemas que os bancários enfrentam.

Santo Ângelo – Os dirigentes sindicais realizaram reunião na frente à agência do BB para debater sobre os absurdos que estão ocorrendo no BB. A participação contou com a participação de todos os funcionários da unidade, exceto os gerentes geral e administrativo. Houve distribuição de carta aberta à população e denúncia das condições de trabalho e a precariedade do atendimento prestado a clientes e usuários do banco. Foi agendada uma nova reunião com os funcionários para debater o encaminhamento da campanha em Santo Ângelo.

São Leopoldo - A Diretoria do Sindicato distribuiu carta aberta aos clientes e funcionários do Banco do Brasil, nas agências Centro, Scharlau, Rio Branco e Unisinos.

Guaporé – O Sindicato declarou um Dia de Luto nesta quarta-feira e os funcionários do BB vestiram roupas de cor preta para trabalhar como forma de protesto pela intransigência da direção do Banco do Brasil.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Feeb/RS e Contraf/CUT com edição da Secretaria de Imprensa e Divulgação do Seeb-PFundo