Webmail

REFORMA AGRÁRIA – A nova ocupação dos trabalhadores do MST em Coqueiros do Sul
23/01/2008

 

Na semana passada, cerca de 1.500 trabalhadores rurais ligados ao MST (Movimento dos Sem-Terra) fizeram uma nova ocupação da Fazenda Coqueiros, em Coqueiros do Sul. A ocupação durou apenas três horas e teve o objetivo de pressionar o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) a cumprir o acordo firmado para o fim das marchas realizadas no ano passado. 

Os sem-terra reivindicam ainda a desapropriação da área da fazenda Coqueiros, de 10 mil hectares. Ali, podem ser assentadas quinhentas famílias. Atualmente, a fazenda tem apenas dois empregados com carteira assinada e vinte temporários. A importância da reforma agrária: a desapropriação da fazenda proporcionará a criação de 1.500 empregos nos mesmos 10 mil hectares.

Trabalhadores do MST realizaram seu 24º Encontro Estadual no assentamento Nova Sarandi

Encerrada a ocupação da Fazenda Coqueiros, os trabalhadores do MST retornaram para o assentamento Nova Sarandi. Ali, eles estiveram participando, de 16 a 18 de janeiro, de seu 24º Encontro Estadual.  O assentamento era uma área federal. Desapropriada há vinte anos, é um dos tantos exemplos da viabilidade e da necessidade da reforma agrária. As famílias ali assentadas ofereceram suas casas para o abrigo dos 1.500 participantes do encontro.

Um dia depois da ocupação da Fazenda Coqueiros, surgiu uma denúncia de que participantes do encontro teriam perpetrado um roubo na fazenda. Um mandado de busca e apreensão foi despachado por um juiz estadual. A ordem era recuperar os objetos do roubo: um anel de ouro, uma máquina fotográfica, R$ 200,00 e um rádio de carro. Detalhe: os objetos foram descritos desta forma, sem nada que pudesse garantir sua identificação.

Sobre o comportamento do Governo Estadual, de Yeda Crusius, com relação aos trabalhadores rurais sem-terra nesse episódio traremos mais detalhes em outra matéria.