Webmail

Dia de protesto paralisa 18 agências do Itaú na Região Centro Norte
17/04/2014

Bancários mandam recado ao banco e cobram respeito e mudança de atitude

Os bancários do Itaú na Região Centro Norte realizaram nesta quarta-feira(16) um dia regional de luta que paralisou o atendimento de pelo menos 18 agências do banco.

Trabalhadores de sete estados (Roraima, Pará, Amapá, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Acre, Rondônia) e o Distrito Federal estiveram envolvidos nos protestos e cobraram o fim das arbitrariedades que o banco tem praticado contra seus clientes e funcionários.

Os dirigentes sindicais denunciaram que, apesar de ter alcançado um lucro líquido recorde de R$ 15,8 bilhões em 2013, o resultado bilionário não saciou a ganância dos banqueiros, que persistem com uma postura que não provê segurança aos usuários, clientes e bancários.

O presidente da Fetec-CUT/CN, José Avelino, agradeceu o empenho de todos os companheiros e companheiras, dirigentes dos sindicatos filiados à federação, que realizaram esse dia de luta no Itaú.

"Hoje a Região Centro Norte mandou um recado à direção do Itaú, para que mude sua postura. Os problemas denunciados são muitos e todos muito graves. Esperamos que o banco ao tomar conhecimento de tudo o que vem ocorrendo em nossa região, chame o movimento sindical para discutir e apresente soluções", cobrou José Avelino.

Prática antissindical no Amapá

Dirigentes sindicais do Sintraf-Amapá enfrentaram a Polícia Militar durante protesto numa agência do Itaú. Segundo informações dos policiais, as viaturas da PM foram acionadas pelo gerente geral da agência 8529 de Macapá, Franco Andrey Ferreira Silva, que, segundo os policiais, solicitou a presença da polícia para abrir a agência que se encontrava fechada durante o protesto dos sindicalistas.

"Nós repudiamos veementemente a atitude do Itaú em Macapá ao chamar a polícia para os trabalhadores. Práticas como essa não constroem um ambiente de respeito à legislação, à sociedade e com os seus trabalhadores. Tomaremos as medidas cabíveis para que isso nunca mais ocorra", disse José Avelino.

Algumas das ações arbitrárias do Itaú

- Abertura de agências de negócios, sem vigilantes e sem porta giratória;

- Discriminação no atendimento de clientes em agências com horário estendido;

- Inúmeras demissões por justa causa de bancários de base, por motivo torpe;

- Discriminação contra as grávidas, que ao retornarem ao banco ficam sem carteira de clientes;

- Caixas com diferenças de valores elevados; esses caixas estão sendo contratados e o banco não oferece antes o curso imediato de caixa para o exercício da profissão;

- O plano de saúde Unimed está gerando sérios problemas aos bancários nas bases do Amapá e Campo Grande;

- Plano Odontológico/Interodonto: rede credenciada não atende a demanda dos bancários de Brasília;

- Agências com segurança frágil ou sem segurança aos clientes e bancários: sem porta giratória, sem proteção adequada.

- Demissões de dirigentes sindicais por justa causa, sem que o Itaú tenha instaurado auditoria para comprovar ou não a possível acusação;

- Mais: demissões, metas abusivas principalmente aos caixas, quadro funcional defasado, sobrecarga de trabalho, falta de diálogo com dirigentes sindicais, dupla função aos GOs: chefes de serviços com jornada extensa, às vezes até 10 horas de trabalho contínuo, sabotagem na papeleta que afere o tempo de fila, sabotagem na emissão de senhas nas localidades onde há lei das filas.

Balanço resumido dos protestos:

Dourados-MS: Paralisou 1 agência com protesto e panfletagem junto aos bancários e clientes;

Amapá-AP: Paralisou 2 agências - Uma tempo integral outra parcial com protesto e panfletagem junto aos bancários e clientes;

Campo Grande-MS: Paralisou 4 agências com protesto e panfletagem junto aos bancários e clientes;

Rio Branco-AC: Paralisou 01 agência com protesto e panfletagem junto aos bancários e clientes;

Brasília: Paralisou 04 agências com protesto e panfletagem junto aos bancários e clientes;

Boa Vista-RR: Paralisou 1 agência com protesto e panfletagem junto aos bancários e clientes;

Cuiabá-MT e Várzea Grande-MT: Paralisou 4 agências com protesto e panfletagem junto aos bancários e clientes;

Porto Velho-RO: Paralisou 1 agência com protesto e panfletagem junto aos bancários e clientes;

Rondonópolis-MT: Realizou protesto e panfletagem junto aos bancários e clientes.


Fonte: Contraf-CUT com Fetec-CN - 17/04/2014