Webmail

BB sinaliza para Comando Nacional que avanços só virão com greve
15/08/2012

O Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT e assessorado pela Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil, concluiu nesta terça-feira 15 a primeira rodada de negociação da pauta específica do funcionalismo com a direção do BB, em Brasília. Houve discussões sobre as reivindicações de saúde e condições de trabalho, previdência e isonomia.

Não houve avanços e o BB, num ato falho, sinalizou que as negociações só avançam se houver greve do funcionários, pois disse não para várias reivindicações alegando que agora não pretende atender às  demandas porque entre 2003 e 2011 já aceitou várias delas. Não por acaso, entre 2003 e 2011, o  uncionalismo do BB conquistou vários direitos com mobilização e greve.

"Finalizamos o primeiro bloco de negociação, que durou dois dias, reafirmando ponto por ponto a nossa pauta específica e mostrando ao banco como é importante para os funcionários ele apresentar propostas que atendam às nossas prioridades em relação à preservação da saúde, às condições de trabalho e à isonomia entre todos os trabalhadores do banco, sejam eles pré-98, pós 98 ou oriundos de bancos incorporados", afirma William Mendes, secretário de formação da Contraf-CUT e coordenador nacional da Comissão de Empresa. 

"Há um conjunto de reivindicações que o BB tem plenas condições de atender, e que são os principais problemas dos bancários hoje, como o cumprimento da jornada de 6 horas para todos, a irredutibilidade do salário no retorno de licença-saúde, a seleção interna para a ascensão na carreira, o fim dos descomissionamentos e o fim das travas para concorrência e remoção automática", insiste William. "Isso os bancários querem ver resolvidos nesta campanha."

Só a mobilização garante direitos

Durante a discussão sobre isonomia para os bancários oriundos dos bancos incorporados, o BB enumerou os avanços dos últimos nove anos, sinalizando que só vai apresentar proposta se houver greve. "Mas nós dissemos que é hora de darmos um salto de qualidade e de o banco valorizar o processo de negociação coletiva, apresentando propostas para as prioridades dos bancários", acrescentou o coordenador da Comissão de Empresa. 

Para a Contraf-CUT, só a mobilização do funcionalismo do BB garantirá os direitos dos trabalhadores e forçará o banco a avançar nas negociações.

O Comando Nacional discutiu ainda com o BB outras reivindicações importantes do funcionalismo, como o fim das Plataformas de Suporte Operacional (PSO). "Mostramos o caos que esse programa trouxe para os bancários em geral, os gestores e clientes e pedimos o seu fim e o retorno dos caixas e gerentes de serviço às dotações das agências", disse William.

Também houve longas discussões sobre os comitês de ética, que os bancários querem revisar e levar o BB a aderir à cláusula de combate ao assédio moral da convenção coletiva da Fenaban, e sobre Cassi e Previ, principalmente em relação à urgência da inclusão dos funcionários dos bancos incorporados nas duas caixas e do fim do voto de minerva na Previ.

Segunda rodada com BB na próxima semana

A segunda rodada das negociações das questões específicas do BB será realizada na próxima semana, em data que será definida pelo Comando Nacional após a segunda rodada de negociações com a Fenban que ocorre nesta quarta e quinta-feira, em São Paulo. 

Entre os temas da próxima rodada está incluído todo o bloco de remuneração e plano de carreira.

 


Fonte: Contraf-CUT - 14/08/2012