Webmail

Itaú abre agências no Rio sem vigilantes e sem preocupação com a vida
16/03/2012

O Itaú Unibanco vem abrindo várias agências sem vigilantes durante a greve da categoria, deflagrada na segunda-feira (12) na capital e no interior do Rio de Janeiro. A decisão, resultante da ganância e da negativa em encontrar uma saída negociada para a paralisação, coloca em risco a vida de bancários e clientes. 

O funcionamento nessas condições foi constatado por diretores do Sindicato dos Bancários do Rio que percorreram várias unidades do Itaú no centro da cidade e em outros bairros.

O diretor do Sindicato e membro da Coletivo Nacional de Segurança Bancária da Contraf-CUT, André Spiga, afirmou que a atitude do banco é ilegal, pois contraria a Lei Federal 7.102/83 e a Portaria 387/2006, que impedem o funcionamento de agências sem a presença de vigilantes. 

"Desrespeita, ainda, decisão da desembargadora do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região, que determinou, a pedido do Santander, que durante a greve deveria ser garantido pelos trabalhadores, no mínimo, 40% do efetivo de vigilantes, permitindo o funcionamento dos bancos, observando o limite mínimo de um vigilante por agência bancária, o que já é uma temeridade", frisou. O dirigente acrescentou que, com essa decisão, o risco aumenta proporcionalmente ao tamanho da unidade. 

A funcionária do banco e diretora do Sindicato, Adriana Nalesso, condenou a abertura das unidades nestas condições precárias. "Entramos em contato com o setor de segurança do banco, em São Paulo, que avaliou não haver problema no funcionamento sem vigilante, alegando que não estava havendo manuseio de numerário, o que não é verdade. Tal atitude só demonstra como o Itaú valoriza o dinheiro, não tendo nenhuma preocupação com a vida das pessoas", criticou.


Fonte: Seeb Rio